Di Nucci & Gomes de Matos - Serviços Oferecidos

Serviços Oferecidos

Os serviços da Di Nucci & Gomes de Matos Hemodinâmica são prestados com destreza e ética, para que cada paciente se sinta acolhido e tenha seu diagnóstico, ou procedimento, executado com excelência. Atendemos cada paciente de maneira individualizada, respeitando suas particularidades e receios, contribuindo para a melhor condução de seu tratamento, junto a seu médico cardiologista.

Conheça a relação de exames diagnóstico e procedimentos realizados pela equipe da Di Nucci & Gomes de Matos Hemodinâmica, em Campinas e região:

Exames diagnósticos

Cateterismo Cardíaco (Coronariografia)

Procedimento diagnóstico que tem como objetivo avaliar as artérias coronárias, responsáveis pela irrigação sanguínea do coração. Para isso, um cateter é introduzido na virilha ou no punho, levado até as coronárias e através dele, uma solução de contraste radiológico é injetada, percorrendo o caminho do sangue. O procedimento é filmado, permitindo assim a avaliação do trajeto das coronárias, a importância anatômica de cada uma e eventuais obstruções.

Aortografia

Procedimento diagnóstico que tem como objetivo avaliar a aorta, que é o vaso sanguíneo que recebe todo o sangue bombeado pelo coração e o distribui para o corpo. O exame é realizado com a injeção de contraste radiológico, feita através de um cateter posicionado na aorta, introduzido pelo punho ou virilha. Permite avaliar o tamanho da aorta, dilatações, dissecção (rasgos) e também a válvula aórtica, que é a válvula do coração que direciona o fluxo do sangue para aorta, após cada batimento cardíaco.

Angiografia Pulmonar

Procedimento diagnóstico que tem como objetivo avaliar a irrigação sanguínea do pulmão. O exame é realizado com a injeção de contraste radiológico, feita através de um cateter posicionado na artéria pulmonar, introduzido pela virilha, antebraço ou pescoço. Permite avaliar a circulação do sangue pelo pulmão, o retorno do sangue ao coração e eventuais dilatações, obstruções e presença de trombos (embolia).

Estudo de Cardiopatia Congênita

Procedimento diagnóstico que tem como objetivo avaliar a presença e o tipo de defeitos congênitos no coração (presentes ao nascimento), através da injeção de contraste, medida de pressões e coleta de amostras de sangue das diversas cavidades (câmaras) do coração. Para isso, cateters são posicionados no coração através da virilha, punho ou região anterior do cotovelo (fossa cubital).

Estudo de Vasorreatividade Pulmonar

Procedimento diagnóstico que visa avaliar se a capacidade dos vasos sanguíneos pulmonares de dilatar e aumentar os seus diâmetros está preservada. É realizado através da inalação de um gás (óxido nítrico), que promove o relaxamento da camada muscular destes vasos, fazendo com que a pressão do sangue nos vasos pulmonares diminua. Durante o exame, um cateter é posicionado na artéria pulmonar e a pressão é medida continuamente.

Procedimentos Terapêuticos

Angioplastia Coronária com Balão

Procedimento terapêutico que visa desobstruir artérias coronárias acometidas por aterosclerose (depósito de placas de gordura em suas paredes), com obstrução maior que 70% da luz. Ou seja, quando o tamanho interno da artéria, por onde o sangue flui (luz do vaso), está reduzido em pelo menos 30% da capacidade original, pela presença da placa de aterosclerose. O procedimento consiste em posicionar e insuflar um balão sobre a placa, com o intuito de deslocá-la, retirando-a da passagem do sangue, ampliando a luz do vaso. O balão é levado até a obstrução através de cateter guia, inserido na virilha ou no punho do paciente.

Angioplastia com Stent Convencional

Procedimento terapêutico que também visa desobstruir artérias coronárias acometidas por aterosclerose. O que o difere da angioplastia por balão é que durante a insuflação do balão, o stent é implantado na superfície interna do vaso. O stent é uma prótese que se assemelha a um tubo, feito por uma malha metálica e que tem a função de manter a luz do vaso ampliada, ao “enjaular” a placa de aterosclerose, isolando-a do sangue circulante.

Angioplastia com Stent Farmacológico

É o mesmo da angioplastia com stent convencional, no entanto o stent farmacológico é utilizado. Este consiste em um stent metálico que tem em suas hastes uma medicação. Este fármaco é liberado lentamente e atua na parede do vaso inibindo a proliferação de um tecido cicatricial (colágeno) que após implante de stents convencionais, em aproximadamente 20% dos casos, cresce para dentro da luz do vaso e volta a obstruir a artéria. Esta reobstrução tem o nome de reestenose intrastent. Como a medicação do stent farmacológico inibe o crescimento do tecido cicatricial, a taxa de reestenose após o implante de stents farmacológicos é aproximadamente 4%.

Angioplastia com Stent Bioabsorvível

É o mesmo da angioplastia com stent convencional, no entanto é utilizado o stent bioabsorvível. Existem vários tipos deste stent e o que eles têm em comum é que suas hastes são aos poucos absorvidas pelo organismo e depois de algum tempo desaparecem por completo. Com isso, o efeito de enjaular a placa de aterosclerose é transitório. A grande vantagem é que o vaso volta a sua conformação original, as paredes do vaso retomam a capacidade de dilatar e contrair e a placa de aterosclerose é estabilizada.

Valvoplastia Percutânea Mitral

É um procedimento terapêutico que serve para tratar pacientes selecionados com estenose mitral de origem reumática. Através de uma veia na virilha, um cateter é colocado dentro do coração (átrio esquerdo) e um balão próprio é posicionado e insuflado na válvula mitral. Isso tem como objetivo separar os dois folhetos da valva mitral, que caracteristicamente estão grudados na estenose mitral reumática.

Valvoplastia Percutânea Aórtica

É um procedimento terapêutico que serve para tratar pacientes selecionados com estenose aórtica. Através de uma artéria na virilha, um balão próprio é posicionado e insuflado na válvula aórtica com o intuito de dilatar o anel da válvula e separar os folhetos da valva aórtica, facilitando a sua abertura. É realizada apenas em casos selecionados. Nos casos de estenose aórtica congênita o procedimento é semelhante, feito nos primeiros dias de vida, e em geral, através de uma artéria do pescoço.

Valvoplastia Percutânea Pulmonar

É um procedimento terapêutico que serve para tratar pacientes com estenose pulmonar. Através de uma veia na virilha, um balão próprio é posicionado e insuflado na válvula pulmonar com o intuito de dilatar o anel da válvula e separar os folhetos da válvula, facilitando a sua abertura. É realizada apenas em casos selecionados, crianças e adultos.

Implante Transcutâneo de Prótese em Valva Aórtica (TAVI)

É o procedimento terapêutico que serve para substituir a válvula aórtica por uma prótese valvar. É realizado em conjunto com a equipe de cirurgia cardíaca. Um cateter montado com a prótese é posicionado no coração, sobre a válvula aórtica e então a prótese é implantada, deslocando e enjaulando os folhetos da válvula nativa, de maneira semelhante ao implante do stent, permitindo o funcionamento da prótese valvar. Pode ser feito pela virilha ou através de uma pequena incisão no peito, na altura do mamilo esquerdo. É indicada apenas em casos selecionados.

Implante de Endoprótese de Aorta

É o procedimento terapêutico que serve para inserir um tubo (endoprótese) no interior da aorta e assim remodelar a sua parede, em casos de aneurismas (dilatações) ou dissecções (rasgos). É realizado em conjunto com a equipe de cirurgia cardíaca.

Fechamento de CIA (Comunicação Interatrial)

É o procedimento terapêutico que serve para fechar a comunicação interatrial, que é um “buraco” presente no septo que separa os dois átrios (direito e esquerdo). Um cateter é introduzido em uma veia da virilha e posicionado através da comunicação interatrial, cruzando do átrio direito para o esquerdo. Então uma prótese é liberada, promovendo o fechamento. Existem vários tipos de prótese, com mecanismos diferentes de fechamento.

Fechamento de CIV (Comunicação Interventricular)

É o procedimento terapêutico que serve para fechar a comunicação interventricular, que é um “buraco” presente no septo que separa os dois átrios (direito e esquerdo). Um cateter é introduzido em uma veia da virilha e posicionado através da comunicação interventricular, então uma prótese é liberada, promovendo o fechamento. Existem vários tipos de prótese, com mecanismos diferentes de fechamento.

Fechamento de PCA (Persistência de Canal Arterial)

É o procedimento terapêutico que serve para fechar o canal arterial. Este é um vaso presente em todos os fetos na vida intrauterina, que comunica a aorta e a artéria pulmonar e que na fisiologia normal fecha-se depois do nascimento. Eventualmente o canal arterial pode persistir aberto e seu fechamento é então feito por dispositivos liberados através de cateter. Geralmente o cateter é introduzido pela virilha, e o canal pode ser fechado por próteses diversas ou até molas.

Aortoplastia

É o procedimento terapêutico que serve para dilatar a aorta e ampliar a sua luz. É feito através da insuflação de um balão na aorta, podendo ou não ser realizado concomitantemente o implante de um stent. É realizado em especial para tratamento da coarctação da aorta, que é uma obstrução congênita da aorta, em crianças e adultos.

Intervenção em Cardiopatia Congênita Complexa

São procedimentos terapêuticos diversos que visam auxiliar no tratamento de doenças cardíacas congênitas, muitas vezes de forma paliativa (atrioseptotomia) ou de forma complementar a tratamentos cirúrgicos (stents na via de saída do ventrículo direito, valvoplastias, fechamentos de defeitos pós-cirúrgicos, etc.).